Loading


Carreta de eucalipto da Suzano Papel e Celulose volta a provocar acidente fatal na BR-101 em Mucuri

Publicado em 05/04 - 10h14min, Fonte: Por Athylla Borborema - MATÉRIA COM ( ) visitas

Uma batida automobilística entre uma carreta carregada de eucalipto a serviço da empresa Suzano Papel e Celulose S/A., e um Fiat/Pálio, acabou matando no local do acidente, o motorista do carro de passeio, Lay Lande Alves, 30 anos, que dirigia um Fiat/Pálio ELX, cor branca, de Placas GXA-5442, licenciado de Pedro Canário/ES., onde a vítima residia.

Pelas marcas de frenagens e pelas posições dos veículos vistas no local e mostradas inclusive nas fotografias, se constata na colisão frontal, que o Fiat/Pálio foi colhido na sua mão de direção e mutilado de frente pela Carreta da Suzano. O Mercedes-Benz modelo AXOR3340, cor branca, de Placas GSV-2557, com uma carreta de 24 metros de cumprimento e carregada de toras de eucalipto, estava sendo dirigido por Júnior César Pereira, que saiu ileso do acidente.

A colisão fatal aconteceu na noite do feriado desta sexta-feira (02/04), na altura do Km 929,5 da Rodovia BR-101 em Itabatã, proximidades da entrada de acesso para a Fábrica da Suzano Papel e Celulose S/A. Durante todo o feriadão de semana santa, as pistas, especialmente a BR-101, tiveram o tráfego comprometido em razão do grande movimento de carretas carregadas de eucalipto a serviço da Suzano e da Fibria Celulose.

O intenso tráfego de carretas de eucalipto nas rodovias federais e estaduais da região extremo sul, tem sido um caos e um perigo constante para quem se serve dirigindo diariamente nestas estradas. A região contabiliza inúmeros acidentes e muitos deles com mortes, onde vários pais de famílias já se foram prematuramente esmagados por estas carretas de eucalipto a serviço das empresas de celulose, que não respeitam o princípio da razoabilidade e da proporcionalidade no acesso ao tráfego.

As empresas de celulose além de serem acusadas de desagregar as comunidades rurais e provocar desastres ambientais e sociais na região, as suas carretas de eucalipto são as responsáveis pela destruição das pistas regionais, que inviabilizam o trânsito e os buracos produzidos pelos caminhões de eucalipto causam inúmeros acidentes diariamente aos usuários das estradas, além de soltarem cavacos e toras de madeiras pelo asfalto à fora, tanto as carretas da Suzano Papel e Celulose S/A., quanto da Fibria Celulose S/A.

É constante o perigo de morte que estas carretas de eucalipto oferecem diariamente para centenas de motoristas, já que elas obstruem as rodovias, provocando os mais diversos desastres rodoviários, conforme este jornal eletrônico contabilizou numa recente matéria jornalística relacionada aos acidentes automobilísticos que os veículos de transporte de eucalipto provocam principalmente na BR-101, tanto por excesso de peso e imprudência de seus condutores pela pressa de carregar e descarregar, quanto pela alta carga de serviço imposta aos seus motoristas que ultrapassam os seus limites físicos para satisfazer os patrões da celulose.

E tem quem diga que as carretas de eucalipto vão tornar as rodovias do extremo sul baiano numa calamidade pública, porque a Fibria Celulose S/A., está construindo um depósito de eucalipto no trevo de acesso à cidade de Mucuri, nas proximidades do distrito de Itabatã, onde haverá outro fluxo de caminhões operando, de onde sairão carretas carregadas em direção à sua fabrica em Aracruz/ES., tendo em vista que a operação marítima da Estação de Navios e Barcaças de Caravelas estará fechando suas portas ainda neste primeiro semestre em razão de sofrer intervenção por deliberação do IBAMA e determinação do Tribunal Regional Federal porque a empresa de celulose está sendo acusada após conclusão de estudos, de cometer crimes ambientais contra a biodiversidade marinha, desde a inauguração da estação em 2003 na cidade de Caravelas.